Destaques

FILME SINAIS - Crítica


SINAIS

SINOPSE: após perder sua mulher em um acidente de carro, um homem abandona sua fé e seu cargo de pastor. Num dia comum,  seu milharal amanhece com estranhos sinais e então ele deve lidar com seus traumas à medida que uma histeria coletiva se instala.

CRÍTICA: acostumado com um escopo um tanto quanto voraz das histórias de invasão alienígena, o espectador pode estranhar, de forma inicial, a ficção científica de 2001. Isso porque o filme de Shyamalan instaura um pânico crescente. Ele não é estrondoso em seu começo e nem se revela muito, chegamos mesmo a duvidar da veracidade da histeria. Um de seus maiores triunfos, uma vez que o diretor e roteirista preocupa-se em trabalhar os traumas de Graham Hess, interpretado por Mel Gibson, e fazer com que sua busca e dúvidas tenham mais substancia à medida que a verdade se faz presente.

Shyamalan garante uma cinegrafia típica de si: dá a cara que seus filmes necessitam. Talvez esse seja o segredo de seus grandes sucessos, pelas histórias deveras não usuais, é ele quem consegue arrancar tudo aquilo que concebeu no papel e dar vida em tela - o que talvez fosse tirado um pouco dos trilhos na mão de outra pessoa. O suspense, aliado ao drama de um homem colocando em julgamento sua fé, possibilita uma atmosfera instigante e que suga a atenção a cada segundo rodado. Tal feito não agrega méritos apenas ao cineasta, mas a todo o seu elenco também.

Mesmo que tenham sido dados com o fito de justificar o fim, alguns artifícios do texto de Shyamalan tornaram a conclusão do longa razoavelmente previsível (ainda que mencionados anteriormente - mesmo que sem certezas), o que não chega a atrapalhar, mas também não garante surpresa ou extrema grandiosidade. Talvez o fato de explorar tais ideias com um pouco menos de recorrência poderia funcionar. Ainda assim, o filme é uma obra digna da atenção e que se encaixa num patamar de melhores filmes do subgênero e que possibilita ao seu telespectador sair da caixa e permitir-se filosofar.

Nota: 🌟🌟🌟🌟🌟
Por: @criticasdaval
Disponível Netflix 🍿

Nenhum comentário