Destaques

O Lagosta - Crítica


O LAGOSTA

SINOPSE: em uma sociedade fictícia, ser solteiro é proibido por lei. Os solitários têm até 45 dias para encontrar um par perfeito ou serão transformados em um animal de sua escolha.

CRÍTICA: O Lagosta aponta, sobretudo, a obrigação de “amar” e encontrar um par dito perfeito numa sociedade que persiste em manter seus padrões. A película traz essa crítica com um humor negro pungente, recheando a tela de momentos de pura ironia à fim de causar um desconforto certeiro em quem assiste. E o incômodo vive em cada linha do personagem interpretado por Colin Farrell, que respira o desalento de estar naquela situação. Não é preciso muito para que entendamos isso, seja por acompanharmos David ou torcermos o nariz pela forma mecanizada e pouco subjetiva com que as pessoas vivem, além de, claro, toda a frieza do estranho resort.
Quando o longa vai além e se importa em mostrar uma outra face da moeda, no caso, as pessoas que querem estar sozinhas, ele faz isso marginalizando-os, de forma a retratá-los como fugitivos. Isso tem muita relação com a forma como as pessoas que não querem uma família são vistas dentro de nossa sociedade, ou seja, párias. E mesmo dentro deste contexto não há margem para subjetividade. O Lagosta apresenta atuações pobres de qualquer emoção - de forma proposital, óbvio -, mesmo quando há amor entre um casal a não permissividade do sentimento faz com que haja uma mecanização de movimentos na forma com que se comunicam.


Toda a estruturação do longa foi pensada objetivando desconstruir e criticar a ideia de solidão e amor, a flacidez sonora e a construção de uma cenário frio, nublado e com cores insaturadas transmitem a mecanização do ambiente ao qual aqueles indivíduos estão inseridos. As narrações em off e a trilha gradativamente obscura nos avisam que algo pode acontecer a qualquer momento. O Lagosta pode não ser um filme para todos os públicos, talvez alguns espectadores se desagradem com seu ritmo e a falta de emoção nas cenas carentes de cor, no entanto é uma obra que demonstra muito bem a proposta que ousou questionar. 

Nota: 🌟🌟🌟🌟🌟
Por: @criticasdaval
Disponível Netflix 🍿

Nenhum comentário