Destaques

Eu não sou um homem fácil - Critica - Citou Noticias

Eu Não Sou Um Homem Fácil (2018)



SINOPSE: um machista acorda num mundo invertido onde as mulheres ocupam as posições dos homens. Agora ele provará do seu próprio preconceito ao se relacionar com uma escritora empoderada.


RESENHA: A premissa por si não é menos que interessante já que perder seus privilégios para perceber que eles sempre existiram é um método eficaz, de rápida assimilação para o público. Porém nada – tampouco a simplista inversão de papéis – é capaz de fazer os homens sentirem o que é ser mulher, além dessa não ser a forma mais adequada de produzir melhorias nos paradigmas sociais, pois, como se verifica aqui, a sociedade matriarcal é tão desagradável quanto a patriarcal.
A utopia que o feminismo almeja é a igualdade de gênero e o filme promove essa igualdade através da apresentação de uma realidade detestável, distópica. Mas um problema nas distopias (de Huxley a Orwell) é que os personagens existem principalmente para explicitar a opinião política do autor, que iconiza pessoas e situações e os submete à problemática social. Some isso ao arquétipo das comédias românticas americanas e o resultado será uma narrativa que constrói um romance inorgânico recheado de clichês dramáticos e que brinca com estereótipos invertidos. Há o protagonista que muda sua concepção de mundo ao conhecer a pessoa de sua vida, os coadjuvantes que só servem de alívio cômico ou de ferramenta auxiliar para o relacionamento do casal, o sexo que assiste futebol e o que prepara a comida, o racional e o sentimental, o sensato e o histérico, etc.
O humor ecoa vazio em alguns momentos e, ao invés de desconstruir preconceitos, pode reforçar esses estereótipos. No entanto o roteiro atinge sua pretensão satírica ao nos envolver em aspectos mais complexos: os contrastes no emprego, a frequência dos assédios, a carga emocional atribuída a cada sexo, os movimentos sociais que aspiram reduções nessa desigualdade – note que os homens que protestam com seios são ridicularizados como mulheres que protestam com axilas não depiladas. Se não é uma obra analítica, é provocativa e serve de alerta – para homens e mulheres.



Nota: 🌟🌟🌟  3/5
ESCRITO POR: @cinemacetico

Disponível na Netflix 🎬

Nenhum comentário