Destaques

Porque a Netflix remove os filmes e séries? - Citou Noticias


Imagina como seria legal se a empresa apenas fossem colocando coisas novas como filmes e séries e nunca mais tirassem nada?
A resposta é uma só:
Contratos x dinheiro Funciona da seguinte forma: Quando pedimos um título para a Netflix eles vão até o estúdio dono dos direitos e pergunta quanto eles querem para disponibilizar aquele produto e por quantos meses. Depois começam as negociações: aumenta o prazo concedido, cota-se o preço para exibição do mesmo título em mais de 1 país onde a Netflix está presente, etc. RELACIONADO Como navegar no Netflix por categorias? Chega-se a um acordo e a Netflix passa a disponibilizar o conteúdo. Você assiste; indica para outro amigo que também assiste; indica para alguém que não tem Netflix; essa pessoa fica empolgada; assina o Netflix para assistir o tal título e a Netflix começa a ganhar dinheiro com as novas assinaturas; quando o tempo de contrato de exibição deste título estiver acabando a Netflix cruza diversas variáveis para ver se essa série é rentável e merece ser renovada para mais algum período, ou não. Bom, se tudo der certo, assim como falamos neste parágrafo e se configurar um cenário de sucesso, a empresa entra em contato com estúdio e novas negociações começam para que o período de exibição seja estendido. O preço que o estúdio irá cobrar pelo título depende muito do seu custo de produção, sucesso de crítica e de fãs, audiência medida pela televisão, atores e atrizes, prêmios, etc. Dessa forma, algo que tenha feito muito sucesso, angariado milhões de fãs e ganhado Emmys, por exemplo, vai custar caro, afinal, um nome de peso no catálogo, certamente irá angariar mais assinantes para o serviço de streaming. E aí que mora o perigo: A série precisa “se pagar” para permanecer disponível.
Cenário positivo Esse é o caso de Dr. House, por exemplo. House MD é uma das séries mais bem-sucedidas de todos os tempos na televisão mundial. Teve 8 temporadas, 177 episódios, e ganhou diversos prêmios, inclusive 2 Globos de Ouro. Cada temporada teve em média 15 milhões de espectadores por episódio (apenas no horário original de transmissão e somente nos EUA), alguns, inclusive, sendo assistidos por mais de 20 milhões. Por causa disso a série não deve ser nem um pouco barata. Prova disso é que Dr. House esteve marcado como “em fim de contrato” e com data de remoção anunciada nos meses de setembro, outubro e novembro de 2015 (2 vezes nesse último mês, no dia 1 e no dia 15). A notícia boa é que através da nossa lista, que bombou no Facebook e gerou uma indignação coletiva, após milhares de reclamações a série foi renovada por mais algum período que a Netflix não divulga, e, pelo menos por enquanto, não aparece como possível remoção em breve. Mas é claro que o cenário pode mudar a partir do momento em que as pessoas pararem de assistir o médico dando esporro em todo mundo e ela começar a dar prejuízos...
Cenário negativo Mas e se a série não for tão bem após ser assinada pela Netflix? RELACIONADO. Digamos que o título X foi assinado e pouquíssimas pessoas o assistiram. Aquele investimento não retornou lucro em assinantes, nem gerou o sentimento de “nossa, meu dinheiro está sendo muito bem gasto com Netflix” nos usuários. Então por que continuar renovando e renovando e renovando algo que ninguém assiste? Não é melhor pegar essa grana e investir em algo que você e os outros usuários vão dar 5 estrelinhas? E é isso que a Netflix tenta fazer. É claro que sempre vai ter alguém que vai estar assistindo uma série e que vai ficar bem chateado quando, de uma hora para a outra, for pego com a notícia de que a mesma será removida. Mas tenha certeza de que as remoções também fazem parte do “o que é melhor para a maioria” e, verdade seja dita, as inclusões sempre são superiores às exclusões de conteúdo. Outros fatores Claro que às vezes uma remoção não é “culpa” da Netflix. Quando? Quando um estúdio se nega a continuar cedendo os direitos de alguma série, por exemplo. Isso pode acontecer por motivos diversos: por ser mais vantajoso vender os direitos a um concorrente, como o Hulu, por exemplo; por criar seu próprio serviço de Streaming, como o HBO GO, etc. Nesses casos só nos resta comprar o box das séries, mesmo. Resumindo: A Netflix tem x reais e precisa agradar o máximo de usuários com esse montante. Para isso faz uma relação entre o custo de um título e o benefício de usuários que o assite. Para maiores explicações veja a explicação oficial deles (clique na engrenagem para legendas em português): O que fazer para reverter uma exclusão de conteúdo.

Não gostou que tenha saído a sua série preferida? Então reclame o/ mas calma, não precisa ir na justiça ou no Reclame Aqui (sim, tem gente que faz isso). A Netflix é conhecida por ter um atendimento diferenciado com seus clientes e escutar todas as sugestões de títulos que chegam até eles. Muitos são os relatos de usuários contentes que, pouco tempo após o contato, tiveram seu pedido atendido. O mesmo vale para as remoções e Dr. House é o melhor exemplo. Quando viralizou a notícia de que seria removido, tantas foram as pessoas botando a boca no trombone que a empresa se obrigou a renovar os direitos de transmissão da série.

Séries próprias E para finalizar, uma notícia boa que talvez você não tenha se ligado: Séries originais da Netflix, como Demolidor, Beats of No Nation, Jessica Jones, House of Cards, etc. não sairão de cartaz, afinal, já estão pagas e não dependem de contrato com ninguém :p

Fonte: Oficina da Net

Nenhum comentário